"A lei é a força colocada a serviço da sociedade para o benefício de todos"
Cesare Beccaria 

 

Homofobia: Deputado Jair Bolsonaro apresenta defesa à coregedoria da Câmara Federal

Bolsonaro entrega defesa à Corregedoria da Câmara.

Deputado do PP do Rio é investigado por racismo e homofobia.

Em documento, deputado afirma que vai combater ‘tsunami cor-de-rosa’.

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) protocolou nesta quarta-feira (13) sua defesa à Corregedoria da Câmara em processo em que é investigado por racismo e homofobia.

Bolsonaro é alvo de quatro pedidos de investigação na Casa.

Em um programa de TV, em resposta à apresentadora e cantora Preta Gil, o deputado do PP classificou como “promiscuidade” a possibilidade de seu filho se relacionar com uma mulher negra.

Na mesma entrevista, o deputado fez também ataque a homossexuais e disse que torturaria seu filho se o pegasse fumando maconha.

O documento apresentado por Bolsonaro à Corregedoria da Casa tem 13 páginas e foi elaborado pelo próprio deputado do PP. Bolsonaro afirma que a linha de argumentação “não é uma defesa” porque ele não cometeu crime.

O documento, segundo ele, é uma “explicação”.

saiba mais

Associação de gays entra com representação contra Bolsonaro

OAB pede à Procuradoria da República medidas contra Bolsonaro

‘Ficaria bravo se tivesse brinquinho’, diz Bolsonaro sobre cartaz nazista

Entre os argumentos apresentados à Corregedoria para rebater a acusação de racismo, o deputado do PP afirma que “se equivocou” ao interpretar a pergunta que lhe foi feita sobre a possibilidade de seu filho se relacionar com uma mulher negra.

Sobre a acusação de homofobia, Bolsonaro se intitula “defensor da família brasileira” e diz que vai continuar lutando contra o “tsunami cor-de-rosa” no país.

“A única coisa importante que aconteceu nesse episódio foi a gente conseguir denunciar o tsunami cor-de-rosa proposto pelo governo em escolas públicas do primeiro grau com a distribuição do ‘kit gay’.

Vou continuar a minha luta contra esse tsunami cor-de-rosa”, afirmou Bolsonaro.

O corregedor da Casa, deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), terá agora 45 dias para analisar os pedidos de investigação contra Bolsonaro e os argumentos apresentados pelo próprio parlamentar.

O corregedor deve decidir entre arquivar os pedidos ou enviar o caso ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa para que seja aberto processo por quebra de decoro contra Bolsonaro.

Robson Bonin/G1

Arquivado em: Brasil, Câmara dos Deputados, Comportamento, Homofobia, Homossexualidade, OAB, Política, Políticos, Preconceito
Publicado em 14 de abril de 2011 às 10:04 por José Mesquita

Termos: , , , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário

Publicidade

Mais Visitados

Comentários

Termos

Leituras Recomendadas

Sites Recomendados

Copyright © 2016 Lei & Ordem. Direitos Reservados.

Tech Blue designed by Hive Designs • Ported by Free WordPress Themes